sábado, 27 de maio de 2017

Me quedo entre os não-o-quês da vida e as guerrinhas indizíveis entre girassóis
de manhã acordo com o fel do sonho ébrio que é luta selvagem e cortante
de tarde, na hora do almoço, como sorrisos na fila de espera
ali pelo lanche da tarde, passo a faca no abraço apertado de gente amiga
na penumbra do ocaso peço socorro ao baile-pássaro de quem transita em retorno
na noite me lambo como cão quente de inverno.


Tiago Ferreira
O relevo dos nós em mim causa frisson nos eutros revelados no encontro de meus personagens.
Instantes de Polaroid que aparecem macio, despacito noscorações colhidos em nuvens de cabeceira,
em ecos de becos e bocas costurados pelo prazer de ser o que se quer ser.

domingo, 30 de abril de 2017

dia das mulheres

no dia de hoje só consigo pensar no machismo que me fode a vida e no tanto que ele fez eu ser um idiota com mulheres. não espero aplauso por isso, não espero curtidas por isso. as vezes penso que não é possível existir mais como homem neste mundo. quero conseguir renunciar ao desejo de ter sucesso profissional, quero conseguir renunciar ao medo de ser afetuoso com outros homens, quero renunciar a estupidez, quero conseguir renunciar a prepotência, quero conseguir renunciar a insensibilidade, quero conseguir renunciar ao medo do afeto, quero renunciar a cobrança cobrança social de ser o pior tipo de macho. agradeço a todas as mulheres que me tocaram nesta vida (mãe, irmãs, tias, avó, amigas e namoradas). me envergonho por ter sido um otário em vários momentos. mais uma vez, não espero aplausos, não espero curtidas. é só um depoimento e um expurgo de mim mesmo. só agradeço a mulher que topou criar uma vida comigo: ela me mostrou a vida, me mostrou outra forma de enxergar o mundo, me mostrou outros caminhos. atravessamos dificuldades neste momento, porém, o que mais quero é poder conservar uma amizade por toda a vida com esta mulher. todas estas mulheres são minhas mestras e por muito tempo neguei, escondi isso de mim.
sinto tristeza e vergonha ao ver homens com medo de homens quando entram no banheiro, homens com medo de homens quando conversam, homens com medo de homens quando brigam. homens necessitam se impor de um jeito violento, homens se mostram muito machos por medo de se mostrarem sensíveis para outros homens. sinto raiva quando vejo homens conversando com homens. homens quando se juntam podem ser muito escrotos. mais uma vez. sinto raiva por eu ser tão insensível e medroso em tantos momentos. fodam-se os aplausos!
bom mesmo é poder agradecer, ser agradecido, agradecer homens e mulheres sem haver no fundo raso uma espécie de lastro de qualquer outra coisa que não diga respeito a humanidade de cada pessoa. homens tendem a colocar a frente do diálogo uma camada, poeira, crosta de libido e interesses outros com o intuito de seduzir, emaranhar, envolver. não quero dizer que todo homem faça isso, quero reafirmar que é uma tendência ensinada em casa, nas ruas, nas escolas.
Goiânia [cidade do chão vermelho]:
Salgado - 1,75 reais
Água - 2,00 reais
Três Pães de Queijo - 1,00 real
Barra de Chocolate no ônibus - 1,00 real
Dois abacates por 5 reais
Um litro de Pequi por 8 reais
Um litro de amendoim na casca por 5 reais
duas histórias que me contaram nos ônibus de Goiânia:
1) o filho do sambista Cartola é pastor e vereador no município de Aparecida de Goiânia;
2) uma moça pianista de Vitória da Conquista (BA) é irmã de um rapaz que estudou violão com o Elomar.
e se nos propusessemos a despersonalizar nossos perfis virtuais? a combater a felicidade de mercado, a chacoalhar o retrato, a propagar o desengano...essa seria uma camada enganosa ou em harmonia com o que se sente no séc xxi? essa via aqui parece ser o labirinto do minotauro e ninguém parece ter a força de teseu. há quanto tempo vcs não caminham a pé sem se importar com o navegar, viajantes en linha? a fluidez pós-moderna existe, mas também morre na boca do haitiano que delíra descalço no centro de florianópolis de modo muito objetivo: o governo de santa catarina roubou minha moto, dizia ele com orbita dos olhos afundadas num pântano. essa vida multi-informacional é um jogo pra nos enganar. estamos informados, porém, o contato com o oxigênio lá de fora é que incendeia os corações. o resto é produção de anestesia por excesso e de sorriso pelo triste. vou ali encontrar os meus. bom dia.